Varejo

Em 105 dias, varejo cresceu 1,8% em São Paulo

Em 105 dias, varejo cresceu 1,8% em São Paulo

Só na primeira quinzena de abril, a alta foi de 6% sobre os 3,2% do ano passado.

 

Nos dias iniciais de 2019, o movimento de vendas do varejo da capital paulista cresceu em média 1,8% sobre o mesmo período do ano passado, sendo 0,5% nas comercializações a prazo e 3% no sistema à vista. Os números são do Balanço de Vendas da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

Para Emílio Alfieri, economista da associação, o varejo está acompanhando o ritmo fraco da retomada econômica, bem como a taxa recorde de desemprego e a dificuldade do brasileiro de se comprometer com compras parceladas.

“Para reverter esse quadro, o governo precisa priorizar a geração de postos de trabalho e estimular a concessão de crédito à pessoa física, seja aumentando a concorrência entre os bancos ou reduzindo o compulsório das instituições bancárias”, analisa Emílio.

O período analisado pela ACSP (de 1º de janeiro a 15 de abril de 2019) contou com um dia útil a mais frente ao mesmo período de 2018, o que ajudou um pouco os lojistas. “O melhor desempenho das vendas à vista reforça que o consumidor está fazendo compras de pequeno valor, sem se comprometer com prestações futuras. Ele está cauteloso e avesso a riscos, com a confiança baixa”, diz o economista.

Abril 

Na primeira quinzena de abril de 2019 ante a mesma época de 2018, o movimento de vendas do varejo da cidade de São Paulo cresceu em média 6%. Enquanto isso, as comercializações a prazo subiram 7,3% - o sistema à vista registrou crescimento de 4,7%.

“A primeira quinzena deste ano teve um dia útil a mais, o que impactou o resultado do Balanço. Não fosse isso, o comércio teria fechado o período no vermelho”, comenta Emílio.

Variação mensal

Já em relação à primeira quinzena de março de 2019, o varejo paulistano registrou alta de 6%, sendo 3,2% no sistema a prazo e 8,8% à vista (com um dia útil a mais).

“A realização do Carnaval no início de março enfraqueceu a base de comparação, já que nessa época o movimento é tradicionalmente pequeno nas lojas”, finaliza o especialista.

 

Fonte: Primeira Página.

Redes Sociais