Varejo

Desde 1938, sapataria em SP é especialista em tamanhos grandes

Desde 1938, sapataria em SP é especialista em tamanhos grandes

Rumo ao centenário, a loja está investindo no e-commerce para crescer mais.

 

Há 80 anos, uma loja de calçados em São Paulo vem apostando em um nicho: números grandes. O local é amado por mulheres que calçam mais de 39, já que o número é raro em lojas de calçados femininos convencionais.

Claudia Rosenthal, sócia e neta do fundador da loja, conta que no princípio “era tudo rua de terra, onde tinha uma chácara, agora tem um prédio de apartamentos gigantesco”. O fundador desse sucesso é Eurico Rosenthal, um alemão que veio para o Brasil antes da Segunda Guerra. Claudia diz que o avô inaugurou a sapataria, que carrega seu nome, em 1938 e que, já naquela época, tinha faro para os negócios.

“Tinha um bonde que passava na Avenida Ibirapuera e fazia o balão. Isso era um bom indício de ter bom movimento aqui na loja. Era o meio de transporte mais usado na região”, frisa a neta do fundador. No início, a família Rosenthal vendia todo tipo de sapato. Hoje, é especialista em tamanhos grandes, do 40 ao 43 para mulheres e do 41 ao 48 para os homens, com algumas exceções de números ainda maiores.

A escolha por esse nicho começou pouco tempo depois do avô da Claudia comprar um lote de sapatos em tamanhos grandes de um fornecedor na década de 1940. Ele vendeu tudo em poucos dias, percebendo a oportunidade de segmentar o negócio.

Depois de 65 anos de trabalho exclusivo na primeira loja, localizada em Moema, Claudia e outra neta de Eurico abriram uma filial também na capital paulista – nos Jardins. A empresa tem 150 fornecedores ativos. As duas lojas vendem cinco mil pares de sapato por mês.

Para facilitar a venda para outras regiões do país, a empresa está investindo no e-commerce e quer crescer mais, agora rumo ao centenário. “É muito icônico isso, a gente realmente fica orgulhoso de ter um negócio, de ter se perpetuado e ter conseguido dar essa continuidade pro negócio”, finaliza Claudia.

 

Fonte: Primeira Página, com informações do G1.

Redes Sociais