Publicado em:
22
9/2017

Vendas do varejo paulistano atingem R$ 15,6 bilhões em junho

Segundo FecomercioSP, faturamento real do comércio varejista na capital cresceu 4%, em relação a junho de 2016, e 4,8%, no acumulado do primeiro semestre

As vendas do varejo na capital paulista cresceram 4% em junho, em relação ao mesmo período do ano passado. Considerando a série histórica a partir de 2008, foi a quarta maior cifra registrada para um mês de junho.
O comércio varejista faturou R$ 15,6 bilhões no mês, R$ 600 milhões a mais do que o apurado em junho de 2016. Com esses resultados, a taxa acumulada no primeiro semestre do ano foi de 4,8%, que, em termos reais, representa um crescimento de R$ 4,2 bilhões em comparação ao apurado entre janeiro e junho do ano passado.

Os dados são da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), com base em informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).

O bom desempenho das vendas já começa a surtir efeitos no mercado de trabalho. Enquanto no primeiro trimestre o varejo paulistano fechou quase 7 mil postos de trabalho, em abril, maio e junho o setor abriu 1.087 novas vagas com carteira assinada.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, está em curso um processo claro de recomposição da renda, via queda nas taxas de desemprego e dos juros, avanço no ritmo geral das atividades e redução continuada da inflação, fatores essenciais para a consolidação de forma sustentada do novo ciclo de crescimento das vendas também na capital, região fundamental para a obtenção dos resultados gerais no Estado, uma vez que representa mais de 30% de seu faturamento real.

A trajetória positiva nos indicadores econômicos permite manter as estimativas otimistas para o crescimento do varejo na capital. Nessa tendência, o modelo de projeção da FecomercioSP aponta que o faturamento real anual do comércio paulistano tende a subir em torno de 7% em 2017, estimativas que mensalmente são revistas com a inserção dos novos dados consolidados de vendas e considerando o desenrolar dos fatos atuais que marcam os cenários político e econômico.

Fonte: Assessoria FecomercioSP / Primeira Página